MARIANA MALTONI/ELLE/DIVULGAÇÃO
MARIANA MALTONI/ELLE/DIVULGAÇÃO

Vamos fazer nossa estreia no próximo São Paulo Fashion Week, em outubro, com direção criativa do estilista João Pimenta.

A revista Elle Brasil, nas bancas a partir desta sexta-feira (30), traz entrevista com Fióti e Emicida sobre a nova empreitada, além de fotos de algumas das peças (veja fotos do ensaio para a publicação acima).

Começamos como um selo/gravadora fundada em 2009 para profissionalizar e popularizar os artistas de hip hop e rap no Brasil. Alguns anos antes, já havia surgido a necessidade de criar camisetas que, vendidas nas banquinhas dos shows, ajudavam a impulsionar o negócio da música e expandir sua presença no meio. Hoje, as peças se tornaram marca registrada na cena do rap brasileiro e a Lab se tornou uma marca de moda com loja online e revendedores por todo o Brasil.

Após essa trajetória de sucesso, sentimos a necessidade de uma evolução no seu estilo e modelo de negócio, mas sem perder a identidade e a conexão com o público que sempre nos acompanhou.

Para isso, essa nova fase será marcada pela chegada de João Pimenta como diretor criativo da marca e o desejo de fazer uma moda inclusiva, democrática e que atenda todos os gostos e corpos. A grife que vai para o desfile será batizada de Lab, apelido que a gente já tinha entre o público.

MARIANA MALTONI/ELLE/DIVULGAÇÃO
MARIANA MALTONI/ELLE/DIVULGAÇÃO

 

Sobre a coleção

A nova coleção trará modelagens e tecidos capazes de atender uma grade extensa de tamanhos, sem abrir mão de design, conforto e qualidade.

A coleção tem como inspiração a figura Yasuke, o samurai negro, com um moodboard permeado pela improvável mistura do Oriente com a África, onde o samurai Yasuke une a força e vibração do povo negro à determinação e espírito da luta dos samurais. A cartela de cores é sóbria com tons de preto, branco, cinza e acentos de vermelho. As peças trazem estampas de origamis e ideogramas japoneses, misturadas às clássicas frases das músicas do Emicida. Destaque para as blusas e moletons com amarrações estilo japonês e as calças e bermudas com elástico, zíper e muitos bolsos.

Os principais tecidos usados são malha, moletom e algodão, que renovam o conceito de streetwear. O desejo é criar moda democrática e inclusiva, que atenda todos os gostos e corpos, com uma extensa grade de numeração.